AUTOCUIDADO É COISA DE “MULHERZINHA”?

Por Anelize Moreira, editora de contéudo do Vida Veda

Os meninos crescem ouvindo expressões sobre o que é “ser homem”. E imagino que você irmã, mãe ou companheira, mesmo sendo mulher também já deve ter escutado ou até mesmo pronunciado algumas delas:

— Homem que é homem não chora;

— Homens são mais fortes, agressivos e adoram uma briga;

— Futebol é coisa de macho;

— Como você não quer sexo, você é homem de verdade?;

— Você é homem ou um rato?;

Essas e outras falas são bem comuns e insistem em sobreviver nos discursos machistas, uma verdade quase incontestável. Mas elas têm soado cada vez mais atrasadas e até meio fora de moda em pleno 2019.

Tem um nome pra tudo isso aí: masculinidade tóxica. Vamos combinar que essa masculina tóxica que rotula comportamentos masculinos de forma depreciativa já deu, né? Sem contar que ela ainda impede a sociedade de ser mais justa e igualitária como um todo, para homens e mulheres.

Nesse cenário, qualquer homem que ouse se expressar com qualidades atribuídas às mulheres como empatia, cuidado, emoção e vulnerabilidade é considerado fora da curva, afeminado ou mais diferentão. Só que é exatamente o contrário, esses homens que se preocupam consigo mesmo são aqueles que já estão alinhados com o “homem do século XXI” ou pelo menos é o que se espera do homem contemporâneo.

Mas, em um mundo ainda predominantemente machista, o cuidado masculino com a saúde enfrenta barreiras como preconceito, falta de informação, tabus e até mesmo piadinhas machistas, como por exemplo, aquelas referentes ao exame para detecção do câncer de próstata. Muitos homens preferem correr risco de vida do que se submeter ao temido exame de toque.

Os dados apontam isso. Em 2018, a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) realizou uma pesquisa acerca da percepção sobre a saúde masculina e longevidade. De acordo com essa pesquisa, 49% dos homens acima dos 40 anos nunca realizaram o exame. Isso é quase metade dos homens, tem noção de como é sério isso?

O câncer de próstata é o segundo tumor maligno mais comum entre os homens. Cerca de 68 mil homens são diagnosticados com a doença no Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer. Esse número equivale a mais de 300 aviões lotados.

O Novembro Azul é um movimento mundial para chamar atenção sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce da doença. Durante todo o mês, atividades são desenvolvidas por organizações civis e governamentais com o intuito de aumentar a conscientização sobre o câncer de próstata e também sobre a necessidade do homem cuidar de sua saúde.

Diante de tudo que falamos até aqui, ter as cores azul (ou rosaOutubro Rosa) nas campanhas de saúde pode ser visto como algo ultrapassado, já que não existe uma cor mais correta para homens ou mulheres. Talvez nenhuma cor possa representar a masculinidade ou a feminilidade e até mudarmos a nossa visão binária sobre o que é de menino e o que é de menina vai levar um tempo.

Enquanto isso, que tal fazermos um exercício de entender que essa é só uma forma de fixar uma campanha, apenas isso, ainda que qualquer cor pudesse representar o homem de hoje. “O importante não é focar nas cores, mas o que está por trás delas, que é melhorar a saúde masculina e melhorar de vida”, explica Matheus Mâcedo, médico e fundador do Vida Veda.

Os principais fatores de risco do câncer de próstata são:

  1. idade (maior incidência após os 55 anos);
  2. histórico familiar;
  3. nacionalidade;
  4. hábitos ruins, como má alimentação;
  5. sedentarismo;
  6. tabagismo.

Como o tumor cresce silenciosamente e os sintomas só aparecem na fase avançada, é importante ficar atento aos sinais do corpo e observar eventuais mudanças para fazer xixi ou ejacular, como dificuldade e desconforto.

E é por isso que precisamos falar cada vez mais sobre a masculinidade tóxica, pois ela afeta os próprios homens, embora muitas vezes eles nem se dêem conta disso. Eles têm mais dificuldades de compartilhar sentimentos, fragilidades e admitir que precisam de mais autocuidado. Para aprender esse caminho, os homens podem se beneficiar da sabedoria das mulheres que têm de cuidar de si. Sabe por quê? São elas que estão dando o tom dessas mudanças e exigem nada menos que respeito e equidade.

“O público do Vida Veda é majoritariamente feminino, cerca de 90% das pessoas que seguem o canal são mulheres. Se você tem pelo menos um homem na sua vida, seja ele um amigo, irmão, pai, filho, você pode ajudá-lo a melhorar a saúde. Aliás, todo mundo deveria se ajudar mutuamente, homens e mulheres, isso é uma comunidade”, ressalta Matheus.

Durante esse mês de novembro, o Vida Veda vai trazer entrevistas e iniciativas de especialistas para falar sobre saúde masculina e masculinidade. Fique ligado e ajude a desconstruir esse tabu você também.

Assista os últimos episódios do projeto 0800 que acontece todos os dias às 8:00 horas da manhã (horário de Brasília) no instagram do Vida Veda:

 

https://youtu.be/ZTttEe-qmtE

https://youtu.be/cFissatqDdw

https://youtu.be/n_4Yf0772ys

Related Articles

Responses

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *